mai 18

Festa de Imaculada Conceição

01Respondendo a um convite do Sr. Natalino (Irmão do Santíssimo) a Irmandade do Santíssimo Sacramento compareceu à Missa de encerramento dos festejos em homenagem a Maria Imaculada Conceição, na capela do mesmo nome, na localidade da estação de Prados, quando na mesma o Pe. Paulo Marcelo a exaltou como sendo “Esta” a primeira missionária da Boa Nova, quando da visita de sua parenta Isabel. Na ocasião explicou o motivo do codinome “Imaculada Conceição – Concebida sem Mácula”, que desde o seu nascimento ela foi preservada do pecado, ela foi preparada para ser a Mãe do Filho de Deus. Vale ressaltar, também, que tal título é um Dogma da Igreja Católica, proclamado pelo Papa Pio IX, no ano de 1854. Creio que já é sabido de todos, que foi a Própria Maria Santíssima que se proclamou como tal á Bernadette de Soubirous, quando em uma gruta em massabielle, nos arredores de Lourdes disse: – Eu sou a Virgem Imaculada Conceição!

Após a Missa houve um pequeno cortejo nos arredores da Capela. Em tempo vale registrar que tal festejo foi animado pelo Coral Ministério de Música e pela Corporação Musical São Sebastião.

Obrigado ao Irmão Natalino, que nos muitos anos de sua vida tem se dedicado à preservação da Capela e ao culto à Maria Imaculada Conceição. Que Deus permita ao senhor muitos anos de uma vida pautada na fé e a demonstrar para as novas gerações, que no caminho de Deus, com Maria, vale a pena percorrer.

Por João Bosco de Melo – PASCOM

Dores de Campos, 17 de maio de 2015

mai 12

Crianças rezando o Terço no Dia das Mães

01Uma vez, que já é sabido sobre a peregrinação de Nossa Senhora Aparecida pela Diocese de São João del Rei e que o mês de maio é a Maria Santíssima, Pe. Paulo Marcelo, em comum acordo com os paroquianos, achou que para a ilustre visita de Maria, Nossa Senhora, todos deveriam se preparar e para tanto, nada melhor que destinar tal mês, para a reza diária do terço em todos os lares de nossa cidade. Embalada nessa intenção as catequistas resolveram rezar o terço com todas as crianças, antes da Missa da 10:00 horas, em cada domingo, uma vez que, também, é sabido que haverá a Primeira Comunhão no dia de Corpus Christi e a ilustre visita de Nossa Senhora. Para tanto, conclamaram a todas, que munidas de terços compareceram, sendo que os mistérios foram cantados. Às meninas couberam rezar as Ave-Marias e aos meninos as Santas Maria, nessa intenção houve um verdadeiro embate de vozes, quando cada parte queria rezar mais alto, do que a outra…coisas espontâneas, que fazem a beleza da infância.

Ao final da missa foi realizada uma, singela, homenagem para todas as mães, representadas essas, pela jovem senhora Monique, a saber:

Senhor,

Já aprendi que Jesus teve uma Mãe,

Uma Mulher cheia de fé e muito pura

O nome dela é Maria de Nazaré!

Ela cuidou com amor do Menino Jesus!

Acho, que minha mãe se parece com Ela!

Mamãe é bondosa e cheia de ternura,

Cuida com amor de nossa família.

Ensina-nos a respeitar o teu santo nome

E nos diz que o cristão vive pela fé.

Obrigado por nos ter nos dado Mães,

Essas mulheres tão lindas e especiais!

Que elas tenham paz e saúde,

Para estar, sempre, do nosso lado!

Pois necessitamos muito delas!

Abençoe, Senhor, as nossas Mães!

Amém!

Após a benção final, foram distribuídos cartõezinhos, com mensagens significativas, para as mães.

P/ João Bosco de Melo

Dores de Campos, 10 de maio de 2015.

abr 20

Novena à Misericórdia Divina

01A novena à Misericórdia Divina foi realizada na paróquia de Nossa Senhora das Dores, a princípio com a hora santa na quinta-feira santa, iniciando-se, efetivamente, na sexta-feira santa, encerrando-se no sábado da semana seguinte e culminando com a Festa da Misericórdia, no segundo domingo da Páscoa. Esta é uma devoção antiga em nossa comunidade. Os participantes mais antigos estimam que ela já exista há aproximadamente vinte anos ou um pouco mais.

Que grande alegria para todos nós participantes a realização desta novena! Aliás, que grande privilégio poder visitar Jesus no sacrário e adorar a sua inconcebível Misericórdia durante nove dias seguidos. Quantas pessoas gostariam de estarem presentes e, por algum, motivo não puderam ou não quiseram participar; pessoas que talvez estivessem acamadas, ou cuidando de algum doente, ou presas, ou distanciadas de Deus, ou que não crêem, ou que desconhecem a Misericórdia de Deus, ou, ainda, felizmente, que talvez estivessem, naqueles dias, trabalhando.

Muitas vezes, impossibilitados de comparecer à igreja no horário da novena, muitos de nós fizemos as orações em casa. Mas nada se compara a comparecer pessoalmente diante do Santíssimo Sacramento e louvar a Misericórdia de Deus.

Durante a realização da novena, todos os dias algum participante testemunhava como a Misericórdia de Deus já havia operado na sua vida; foram momentos muito tocantes, muito emocionantes, inesquecíveis!

Ao final da novena foram realizados gestos concretos de solidariedade, através de doações feitas pelos participantes, propostos pela coordenadora da novena, Sra. Branca Aparecida Silva Cardoso (Branquinha do Alvrinho).

Agradecemos imensamente a Deus por termos tido, mais um ano, a oportunidade de realizar a novena à Divina Misericórdia, com saúde, disposição e alegria. Agradecemos por todas as bênçãos derramadas sobre nós todos os dias. Rogamos que Ele nos permita, mais uma vez, no próximo ano e nos seguintes, a graça de realizar esta novena; rogamos, ainda, que continue nos concedendo as graças de que necessitamos através da sua infinita Misericórdia e que possamos continuar, a cada ano, trazendo as mãos repletas de graças e bênçãos para entregar, diante do sacrário, através dos testemunhas de vida.

Por Ayla Darlene de Souza – Pascom

abr 06

Cobertura da Semana Santa 2015

01- Bom dia fulano!

- Bom dia beltrano! O tempo está esfriando, não está!

- Sim! Se observarmos está com um jeitinho de Semana Santa, não está?

Este pequeno diálogo que ouvimos ou, até mesmo, participamos nos fazem demarcar no tempo um período de reflexões, quando tudo se renova. Parece que existe uma convocação do tempo, para fazer realçar algo dormente em nossa memória de fé, independente da demarcação existente nos calendários. Este período se faz necessário para nos atentarmos para o propósito de nossas vidas, pois estamos caminhando para um encontro ao qual não sabemos aonde e quando se dará, mas para tanto devemos preparar nossas intenções, no sentido de estamos abertos para absorvermos as mensagens e cenas que nos farão melhores.

Para ensejar esse propósito Pe. Paulo Marcelo começou a aprofundar nas homilias o propósito da Campanha da Fraternidade: “Eu vim para servir”, pontuando em cada Sacrifício da Santa Missa, um novo olhar para uma nova situação vivida, para isso convocou todos os movimentos, pastorais e até mesmo os Centros Educacionais na condução desse propósito árduo, porém gratificante, quer seja nas vias-sacras no interior da Matriz Nossa Senhora das Dores, quer seja nos bairros, quer seja no Setenário das Dores de Maria. Nesse último, Maria se manteve suspensa no altar mor observando a turba com uma solicitude de Mãe. A isso o Pe. Paulo Marcelo foi, paulatinamente, costurando a cada dia, dos sete dias, os mistérios dessa Mulher espetacular, precursora do primeiro sim, que dividiu a história em duas partes, que dividiu a Bíblia em dos Testamentos, fazendo com que conhecêssemos um Deus misericordioso em detrimento ao Deus dos exércitos, através do seu filho Jesus. Em tempo aproveitou um ínterim, propício ao tema, e compartilhou com toda a assembléia um belo poema, de sua autoria, que contextualizou de forma poética a natureza da Cruz e de tudo que nela encerra. Consoante a tudo refletido até então, creio, que todos nós já nos encontramos prontos para rememorar os padecimentos da História da Salvação, quando de forma paradoxal nos trouxe a paz e alegrias em nossos corações.

29/03 – Domingo de Ramos

01Defronte a Capela Nossa Senhora do Rosário Pe. Paulo Marcelo começou, através do Evangelho de Marcos, a narrar a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém em meio aos ramos soerguidos pelas mãos dos fies, indo em seguida, em procissão à Igreja Matriz na intenção de lá terminar a narrativa, que se concluiu nos momentos finais de sua crucificação.
Tal Evangelho denunciou as artimanhas do poder a serviço da conveniência humana representada por Pilatos, Caifás e Herodes Antipas. Durante a homilia Pe. Paulo Marcelo relatou uma justificativa de uma inocente criança para a não crucificação de Jesus: – Também, por que ele foi para Jerusalém, ele deveria ter ficado em Betânia. Ao que foi respondido: – Esse era o Seu destino, Ele deveria passar por isso! A isso existe uma expressão muito conhecia, através de uma novela: Maktub. Que significa: Estava escrito. À noite, após efetuada a ordem de prisão de Jesus no jardim de Getsêmani ocorreu a procissão do Seu depósito, de maneira discreta, até a Capela Nossa Senhora do Rosário.

30/03 – Segunda-Feira Santa

001Pela manhã houve Missa na capela de Nossa Senhora das Dores e logo após a Rasoura de Nosso Senhor dos Passos.

Felizmente, ontem não houve a procissão do encontro e nem tampouco os anunciados sermões: do Encontro e do Calvário, digo felizmente porque com a graça de Deus caiu chuva em abundância.

31/03 – Terça-Feira Santa

001Na terça-feira, houve a confissão para casais e logo após a tão aguardada “Procissão do Encontro”, na qual, durante o sermão Pe. Alisson André Sacramento narra o encontro dos Dois Ícones, Mãe e Filho, da Salvação do Mundo pontilhando toda a sordidez humana, mas ao mesmo tempo exaltando toda a ternura denunciada, através do silêncio e do olhar, sem nenhum brado de ódio e de rancor. Logo após a procissão ao narrar o Sermão do Calvário faz um paralelo profundo e inteligente dos muitos calvários que o mundo vive, principalmente, o acontecido no Haiti, quando em meio àquela tragédia uma cruz se faz presente trazendo em seus braços o Cristo Consolador, aquele que se fez presente no mundo, através do amor de Deus e de Maria por nós. Não há por que calarmos, Maria nos aponta o destino de nossa vida, que é Jesus. Há uma passagem na pequena obra prima de Henri Nouwen “A Via Sacra do Mundo”, que narra o encontro de Maria com seu Filho Jesus conjugando o mesmo encontro com os de todas as mães que vivem nas periferias do mundo clamando, sem ser ouvidas, pela justiça. Ao observar Maria constatamos que ela não se escabelou, não desmaiou, não afrontou nenhum soldado romano, apenas olhou para Ele, como se estivesse obedecendo a um pacto de aceitação do que deveria acontecer. É nesse encontro que se observa todo o mistério de aceitação da dor, como objetivo de sorver todo o amor de Jesus e proclamar definitivamente, ao nosso coração, que Maria é a nossa Mãe. Pois ela foi a grande educadora, a grande catequista de Jesus no processo da salvação. Não foi à toa que Jesus disse do alto do madeiro entre Dimas (o bom ladrão) e Gestas (o mau ladrão):__Mulher eis ai teu filho! Filho eis ai tua Mãe! Com essa frase estava selado a aliança da família Universal.

01/04 – Quarta-Feira Santa

001Continuando o périplo de Maria à procura de Jesus, a Mesma de manhã saiu em Procissão Rasoura e à noite saiu novamente, agora pelas ruas de nossa Jerusalém dorense. Os fiéis a acompanham, silenciosamente, nessa busca. Enquanto muitos, nas janelas de suas casas, observavam o acontecimento fatídico, tal qual faziam as cegonhas debruçadas nas velhas muralhas da Fortaleza de Antônia. Em meio a tudo isso, compondo a desolação do momento a banda vai executando a trilha sonora que compõe a dor Daquela Extraordinária Mulher. Nos passinho ao som dos motetos ela para e observa a via crucis do seu destino estampados nos pequenos quadros. Em meio a tudo isso relembro a obra de Augusto Cury: “Maria, a maior educadora da história”, que identifica Maria, a Mãe, que de maneira simples cuidou da parte humana de Jesus, incutindo nele o sentido de humanidade, para se estabelecer no mesmo a ponte que uniu suas duas naturezas: a Humana e a Divina, num equilíbrio perfeito. Maria, essa mulher exemplar, soube perdoar a todos, uma vez que sabia, de antemão, que tudo era fruto da ignorância e do medo, medo esse que levou Pedro a negar seu filho três vezes, que fez perdoar a todos que o abandonaram. Essa Mulher que dias depois se uniu a todos no único propósito, continuar o a mensagem salvífica de seu filho Jesus e a mostrar ao mundo que a morte não é o fim. Essa Mulher que hoje percorreu com sutileza e soledade as ruas de nossa cidade, continua, ainda, depois de milhares de anos, a nos mostrar que o sofrimento é a outra parte da felicidade, que uma montanha não encerra o horizonte.

02/04 – Quinta-Feira Santa

001Na quinta-feira deu-se o início do Tríduo Pascal, como o próprio nome diz, três dias, quando se prepara para a Páscoa do Senhor. Logo pela manhã, na Catedral Nossa Senhora do Pilar o casal Goulart, Hely e Glaydes, representaram nossa paróquia, Nossa Senhora das Dores, na Missa do Solene do Crisma e dos Santos Óleos, quando à noite na Missa, também, solene da Instituição da Eucaristia e do Sacerdódio o Pe. Paulo Marcelo teve a oportunidade de explicar as três funções que incorporam esses (Santos Óleos), que são para: os Enfermos, os Catecúmenos (recém nascidos, ainda não batizados) e Crisma (confirmação do batismo). A esse tempo houve uma bela encenação, quando foram convidados, através de sorteio, várias homens, que participam da vida paroquial em variadas funções, para compor o cenáculo do Lava-Pés, no intuito de seguir a menção da Campanha da Fraternidade: Igreja e Sociedade – “Eu vim para servir”. Terminada a cerimônia houve Adoração do Santíssimo até as 24:00 horas, quando o altar mor foi completamente desnudado e o bater dos sinos foi substituído pela matraca.

03/04 – Sexta-Feira Santa

001Na sexta-feira, mais especificamente às 15:00 horas, ocorreu o cerimonial do Beijo da cruz, que se remonta a uma tradição que vem ocorrendo ano a ano desde o século I,quando Santa Helena encontra parte da Santa Cruz. Para tanto o Beijo da Santa Cruz significa que estamos juntos de Jesus na Cruz de forma concreta, isto é, compartilhando deste sublime sacrifício. Vale ressaltar que este é o único dia que não se celebra o sacrifício da Santa Missa. À noite, em presença de uma multidão inumerável, houve o Sermão do descendimento de Jesus da cruz, quando Pe. Paulo Marcelo do alto do púlpito, tal qual um farol, denunciava toda a vilania dos corações dos fiéis e das práticas vergonhosas da sociedade, mas, também, apontava um caminho a ser seguido. Tais palavras cortavam como lâminas os corações dos fiéis, fazendo a muitos chorarem copiosamente, mas ao mesmo tempo a refletirem que somos humanos, que estamos aqui para aprender a caminhar, sem olhar para trás. Em certos momentos a extensão rouca da voz de Pae. Paulo Marcelo se assemelhava a um trovão, que rasgava aquela noite cheia de estrelas, na intenção de mostrar que acima de nossa pequenez Deus nos vela. Logo após o sermão Paula Nascimento, travestida de Verônica começa a entoar “O vos omnes”:

__O vos omnes qui transitis per viam (Ó vós todos que passais pelo caminho)/Attendite et videte si est dolor sicut dolor meus (Tomai cuidado e vê se há dor como a minha dor)…

04/04 – Sábado Santo

001No sábado a Solene Vigília Pascal, seguindo o ritual, inicia-se com acendimento do fogo novo, luz do mundo, através do Círio Pascal (círio vem do latim cereu e significa cera, o produto nobre e puro das abelhas), dando-nos a entender, que o Sacrifício de Jesus não foi um fracasso e sim a vitória para uma vida nova, uma vida alicerçada na dimensão de sua palavra vivificante. Seguindo a cerimônia houve aspergimento de água viva nos fiéis na intenção de mostrar que através da água batismal todos nós nascemos para uma vida nova em Jesus Cristo. Houve as leituras, seguindo o périplo desde o Gênese até a Terra Prometida em Jesus. Em tempo vale ressaltar a forte e competente execução do Glória, quando os Sinos votam a repicar anunciando que Jesus venceu a morte, tal música conduzida pelo maestro Silas Freitas, com a marcação de um tambor, se assemelhou á potência de Carmina Burana de Carl Orff. Foi emocionante! Terminada a Vigília Jesus, já em Hóstia Consagrada, saiu em procissão, através do quarteirão da Matriz, sob um céu coruscado de estrelas propiciado pelos fogos de artifícios.

05/04 – Domingo da Ressurreição

001Domingo de Páscoa, há que se pretender que algo mudou nos corações de todos os fiéis, que intuíram e buscaram nas experiências vividas ao longo dessa Semana Santa uma nova luz para os seus caminhos. Se a sua crucificação de Jesus irá continuar, só dependerá de nós. Os diagnósticos foram constatados, através das reflexões e o bálsamo foi distribuído com gratuidade no sacrifício do madeiro, tão bem retratado nas palavras de Pe. Paulo Marcelo, quando do Sermão do descendimento. É lógico que os problemas advirão, mas, com certeza todos estaremos mais fortes. O processo da salvação irá passar, constantemente, pelo crivo da perseverança, da tolerâncias e das privações. Se observarmos o sim de Maria não a privou dos sofrimentos, mas a fez dia após dia ser um exemplo de perfeição a ser seguido. Ela soube se postar e se recuar nas horas certas. Ela soube perdoar e esquecer as transgressões dos amigos, tanto que, quando Maria Madalena se tornou a mensageira da Ressurreição de Jesus, nenhum discípulo creu na notícia e foram correndo ao túmulo vazio, porque eles não perdoaram seu passado equivocado, mas Maria Santíssima acreditou sem titubear. Não há como falar da História da Salvação sem falar de Jesus e Maria, ambos são figuras simbióticas escolhidas por Deus, desde a criação do mundo. Não entendo o porquê do repúdio a Maria, pelas outras denominações Cristãs, pois se pesquisarmos a Grande Reforma efetuada por Martinho Lutero constataremos que ele foi devoto de Maria Santíssima até o último minuto de sua vida. O fato de dele criar uma nova denominação Cristã, não o fez descredibilizar a importância de Maria no processo da Salvação. Para tanto devemos louvar, sempre Maria, pois quando Jesus a fez Mãe de seu discípulo amado João, Ele a fez Mãe de todos nós. Então Maria da Glória, Mãe Santíssima a Senhora que percorreu as ruas de nossa cidade a demonstrar a todos que Jesus venceu a Morte, continue tal qual nas bodas de Caná a interceder por todos nós, mesmo, como disse Pe. Paulo Marcelo, que não mereçamos tanto amor, tanto cuidado. A Senhora pode constatar o quanto amamos Jesus, quando Pe. Paulo Marcelo tornou possível os pequenos toques dos dedos em seu filho Jesus, transubistanciado na Hóstia Consagrada contida no ostensório. Então Jesus Cristo e Maria Santíssima nunca se esqueçam de nós, mesmo que em nossa pequenez esqueçamos de Vós.

Ave Maria cheia de Graça o Senhor é convosco / Bendita sois Vós entre as mulheres / Bendito é o Fruto de Teus ventre / Amém! Obrigado Mãe querida por nos ter dado o Verbo Divino, Seu Filho Jesus!

Fotos: Pascom

Texto: João Bosco de Melo

Dores de Campos, Março/Abril de 2015.

abr 04

Jesus o Salvador da Humanidade

003

A Paixão de Cristo remete a sentimentos contraditórios, tristeza e ao mesmo tempo agradecimento pela tamanha doação do filho de Deus aos pecadores. Jesus foi concebido por Maria, que aceitou a anunciação de sua chegada com alegria e apreensão, pois naquela época uma mulher solteira grávida era passível de punição pelos seus contemporâneos. No entanto José pensou em abandoná-la, mas visitado pelo anjo ficou comovido e a aceitou com toda a resignação a vontade de Deus em sua vida. Maria e José criaram Jesus com toda simplicidade, zelo e dedicaram suas vidas ao Menino Deus.

A partir do episódio do templo, há um hiato do qual as escrituras não mencionam, mas após os 40 dias no deserto, Jesus saiu pregando a palavra do Pai pelo mundo, muitas pessoas o seguiram e outras o desprezaram e o perseguiram. O seu primeiro milagre foi feito nas Bodas de Cana, incentivado por sua Mãe, ao proporcionar mais vinho aos convidados, pois a quantia adquirida pelos nubentes tinha terminado. Desde esse tempo Jesus fez muitos milagres, curou muitos doentes e espalhou a palavra de salvação a muitas pessoas de várias regiões do Oriente Médio. O mesmo que atualmente presencia guerra e destruição e pessoas a morrerem todos os anos, cegos pelo ódio e vingança. Alguns esperando o Messias e outros disputando poder e territórios, nessa terra tão citada na Santa Bíblia Sagrada desde o Antigo Testamento, paradoxalmente chamada de Santa.

O calvário de Cristo se inicia no momento em que os judeus começam a questioná-lo em suas palavras de vida eterna, mas ele angustia-se quando é chegada à hora da entrega de sua vida. No entanto nas escrituras é clara a traição de Judas e de seus discípulos, pois do alto da Cruz Jesus olha e vê Maria sua mãe, Maria Madalena e seu discípulo João. Quantas vezes as pessoas passam por momentos de solidão quando necessitam de carinho e apoio financeiro dos amigos nas doenças. Ressalta-se, ainda, a derrocada do poder onde a maioria dos amigos somem, ou mesmo quando a pessoa é acometida por uma calúnia ou quando comete um erro e se vê só.

Do alto da cruz Jesus ainda perdoou o bom ladrão, que arrependido pediu perdão a Deus e creu em sua salvação. Quantas pessoas em sua arrogância e prepotência não se enxergam pecadores e nem mortais e ignoram a presença de Deus em sua vida. Muitos humilham os mais carentes, ignorando-os e usando-os como trampolim em seus objetivos voltados para os bens materiais e escaladas de poder. Muitos empresários e políticos não vêem o outro como próximo, mas como instrumento para o seu sucesso. Diante da falta de conversão de muitos, Jesus morre cotidianamente em muitos lugares do planeta.

Mas contradizendo a cena da morte, Jesus ressuscitou por toda a humanidade em um ato de redenção e amor. Muitas pessoas no mundo acolhem Cristo em sua ressurreição quando acolhem o próximo como irmão e das mais diversas maneiras demonstram humildade na evangelização do povo de Deus. A caridade com o próximo deverá acontecer a partir da melhor distribuição de renda e da construção de um mundo mais justo e fraterno.   Muitas pessoas doaram a sua vida em prol da salvação do outro, como São Francisco de Assis, Madre Teresa de Calcutá, Maria Zilda Arns, entre tantos outros, que foram e são instrumentos de Deus em sua caminhada existencial pela terra.

abr 03

A Semana Santa atual e tempos remotos

Foto do Blog www.historiadedoresdecampos.blogspot.com

Foto do Blog www.historiadedoresdecampos.blogspot.com de Ilacir Rodrigues

Através dos relatos de Deliane Maria Maia Aliane, Lucila Maria Vale, Luzia Marciana da Silva e Maria da Glória da Silva Reis, senti o clima da Semana Santa de outros tempos. Segundo Maria da Glória na década de 1950 as cerimônias, ainda, eram realizadas em latim e a grande maioria das pessoas não entendia muito bem a liturgia diária, mas a respeitava de maneira contrita e piedosa. As mulheres usavam véu em todos os rituais litúrgicos, demonstrando castidade e respeito com o templo religioso. De maneira geral as pessoas eram mais voltadas para as cerimônias e suas tradições, apegadas a uma fé transmitida de geração em geração. Ressaltou, ainda, que atualmente a espiritualidade se encontra mais presente, nas orações da maioria das fieis católicos, suscitada pelo entendimento da liturgia e das explicações dos padres, que traçam um paralelo dos evangelhos à realidade do mundo e do Brasil.

Luzia enfatizou que na Semana Santa existia uma tradição de comprar roupas e que algumas meninas, de famílias mais abastadas, estreavam roupas todos os dias da “festa”, assim eram sete vestidos. Disse que ela, ao estrear três, se sentia mais humilhada, diante de suas colegas. No entanto era somente nessa época que as famílias compravam roupas. Disse também que se lembra da Sexta-Feira da Paixão como um dia muito triste, quando as pessoas choravam na procissão, pois pensavam que realmente Jesus estava morto. Ressaltou, ainda, que passou a acreditar que Jesus está vivo a partir de seu ingresso na Renovação Carismática Católica.

Lucila comentou que na sexta-feira da paixão ninguém varria casa e nem escutava rádio em sinal de respeito. Disse que atualmente as pessoas compreendem a liturgia, mas muitas não têm respeito com a casa de Deus, desrespeitando as procissões e as cerimônias religiosas. Na sua época os paroquianos eram mais piedosos. Deliane ressaltou que na sexta-feira da paixão o seu pai, que era fazendeiro, distribuía leite para todos que fossem em sua fazenda com vasilhame. Atualmente, em muitas fazendas, essa tradição continua. Na Semana Santa as famílias da Zona Rural vinham em carros de bois e em seus cavalos, com toda a família, para a cidade, onde alugavam casas e mudavam para Dores de Campos, nesse breve período.

001Enfim, essas tradições que remontam o tempo e a história, deixam grandes saudades. Entre uma prosa e outra, todas concordaram em um mesmo ponto: o Setenário, que antecede a Semana Santa, atualmente se faz muito bem frequentado pelos fieis e afirmam, que o mérito, por tamanha façanha é devido ao Padre Paulo Marcelo Daher Gomes Filho, que com seu entusiasmo e palavras inspiradas pelo Espírito Santo tem motivado muitas pessoas a se prepararem para esse tempo forte que é a Semana Santa. Em outros tempos o Setenário era seguido por poucos fieis e talvez muitos não entendiam a importância de uma preparação, para se ter uma piedosa Semana Santa, pois vislumbravam no calvário de Jesus a salvação de todos os fieis.

Por Sirlene Cristina Aliane – Pascom

mar 21

Programação da Semana Santa 2015

01

De 22/03 a 28/03 – Setenário das Dores

19:00h: Missa e Setenário das Dores na Matriz.

20:00h: Confissões

 

29 de março – Domingo de Ramos

08:00h: Missa na Matriz.

10:00h: Benção e distribuição de Ramos, na Igreja do Rosário. Procissão Litúrgica de Ramos até a Matriz. À entrada da Procissão, Missa Solene.

19:00h: Missa na Matriz. Procissão do Depósito da imagem de Nosso Senhor dos Passos.

Obs.: Dia Nacional da Coleta da Campanha da Fraternidade.

 

30 de março – Segunda-Feira Santa

07:00h: Missa na Igreja do Rosário e logo após Rasoura de Nosso Senhor dos Passos.

20:00h: Procissão dos Passos saindo da Igreja do Rosário.

20:00h: Procissão de Nossa Senhora das Dores saindo da Matriz. Na Av. Governador Valadares, Sermão do Encontro, proferido pelo Revmo. Pe. Alisson André Sacramento. Na Matriz Sermão do Calvário.

 

31 de março – Terça-Feira Santa

07:00h: Missa na Matriz

18:00h: Celebração Comunitária da Penitência para casais e viúvos.

19:30h: Santa Missa da Família, na Matriz.

21:00h: Procissão do Depósito da imagem de Nossa Senhora das Dores.

 

01 de abril – Quarta-Feira Santa

07:00h: Missa na Matriz.

09:00h: Rasoura de Nossa Senhora das Dores e Missa na Igreja do Rosário.

18:00h: Celebração Comunitária da Penitência para os jovens e solteiros.

19:00h: Santa Missa dos Jovens.

20:30h: Procissão da Soledade de Nossa Senhora.

 

02 de abril – Quinta-Feira Santa

09:30h: Na Catedral do Pilar Missa do Crisma.

16:00h: Celebração Comunitária da Penitência.

20:00h: Missa Solene da Ceia do Senhor, Cerimônia do Lava-Pés, Transladação do Santíssimo Sacramento, Desnudação dos Altares e Adoração ao Santíssimo Sacramento até a meia-noite.

 

03 de abril – Sexta-Feira Santa

09:00h: Celebração Comunitária da Penitência.

15:00h: Solene Ação Litúrgica.

20:30h: Sermão do Descendimento da Cruz, proferido pelo Revmo. Pe Paulo Marcelo Daher Gomes Filho, em seguida piedosa procissão do enterro do Senhor.

 

04 de abril – Sábado Santo

09:00h às 15:00h: A imagem do Senhor Morto ficará exposta à veneração dos fiéis.

21:00h: Solene Vigília Pascal.

23:00h: Procissão da Ressurreição.

 

05 de abril – Domingo da Ressurreição

10:00h: Missa da Páscoa das Crianças, na Matriz.

11:00h: Batizados na Matriz.

16:30h: Missa Solene na Matriz. Em seguida, Procissão do Triunfo de Maria. À entrada na Matriz, benção solene do Santíssimo Sacramento.

 

Comissão da Semana Santa

Provedor: Carlos Henrique Marques

Vice Provedor: Pedro Manoel da Silva

1° Secretário: João Bosco de Melo

Vice Secretário: Sérgio Pacelli da Silva

Tesoureiro: Gilmar Antônio Teixeira

Vice Tesoureiro: Edgar Allan Poe Teixeira

 

Pe. Paulo Marcelo Daher Gomes Filho – Pároco

mar 21

O papel da igreja no século XXI

 cartaz_cf2015

No jubileu de encerramento do Concílio Ecumênico Vaticano II a CNBB (Conselho Nacional dos Bispos do Brasil), propõe como tema da Campanha da Fraternidade 2015: “Fraternidade: Igreja e Sociedade” e o lema: “Eu vim para Servir” (cf. Mc. 10, 45), pois é essencial a colaboração da igreja com a sociedade brasileira para o crescimento de uma nação justa e mais solidária. Ressaltando o cenário político e econômico brasileiro com um grande índice de desrespeito com os direitos do povo como um todo. Leia mais »

dez 29

Presépio da Matriz está participando de concurso nacional

presepio_matrizTodos os anos os paroquianos podem apreciar o presépio da Matriz de Nossa Senhora das Dores, porém este ano há uma novidade. O jovem Vinícius Teixeira inscreveu o presépio em um concurso nacional que irá eleger o mais belo presépio do Brasil. Hoje, dia 29 de dezembro serão anunciados os finalistas e no dia 06 de janeiro será anunciado o resultado final, então é importante que você curta a foto do presépio até hoje. O presépio foi montado pelos paroquianos: Vinicius Teixeira, Aparecida do Denílton, Dora Fonseca e Adriano.

Contamos com o seu voto para eleger o presépio da Matriz. Clique aqui para votar.

E o jovem Vinícius Teixeira, nos enviou o seguinte comentário convidando a todos para votarem:

“Enviei o presépio de nossa Paróquia para um concurso. Quanto mais curtidas na foto, melhor. As fotos mais curtidas serão classificadas para a finalista e assim eleger o presépio mais bonito do Brasil. Votem, votem, votem o quanto puder. Por favor. Obrigado!”

Por Nairon Neri

PASCOM

dez 24

Programa Palavra de Fé 30 – Especial de Natal

Neste programa Pe. Paulo reflete sobre o verdadeiro sentido do Natal e deixa uma mensagem especial.

Participe do nosso programa enviando suas dúvidas para o email: redacaopalavradefe@gmail.com.

Posts mais antigos «